É uma decisão de vida muito importante e muitos fatores vão pesar na hora de escolher entre comprar ou arrendar. Será que já conhece todos os prós e contras que tem de ter em conta? Fizemos uma check-list para o ajudar a ponderar e a tomar a melhorar decisão.

. Custos Iniciais – é uma das questões que fará mais diferença entre a compra e o arrendamento. Numa fase inicial o arrendamento vai implicar menos gastos: por norma apenas tem de pagar dois meses de renda e um de caução. O arrendamento vai também permitir-lhe deduzir 15% em IRS até um limite anual de 502 euros (podendo subir até 800 euros caso esteja no primeiro escalão de IRS).

Na compra existem uma série de custos a ter em conta, variáveis conforme o preço do imóvel, localização, se tem ou não empréstimo, entre mais. De forma genérica terá de pagar o imposto municipal sobre as transmissões onerosas de imóveis (IMT), o imposto de selo sobre o valor da aquisição e do crédito, escritura e ainda as comissões iniciais referentes ao empréstimo (leia toda a informação sobre este tema aqui).

. Possibilidades financeiras – muito relacionada com a questão dos custos iniciais geralmente é realmente mais fácil para quem esteja mais limitado financeiramente avançar para o arrendamento, por não ter uma exigência inicial tão grande de capitais.

No caso da compra com recurso a crédito, os bancos estão a pedir atualmente pelo menos 10% do valor de entrada, o que perfaz sempre alguns milhares de euros, a acrescer aos custos de compra. É uma situação que poderá de qualquer forma analisar pois o banco pode aceitar fiadores e, caso o negócio seja mesmo uma boa oportunidade ou mesmo o que pretendia, terá formas de o conseguir segurar.

Os valores de entrada não são um problema? A compra será então a melhor opção no longo prazo. Explicamos porquê no próximo tópico.

. Custos a Longo Prazo – à primeira vista o arrendamento permitia-lhe poupar alguns custos que numa casa própria estão sempre inerentes, tais como o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), o condomínio ou custos com obras.

No entanto, e caso compre, estará a pagar algo (no caso de ter recorrido a crédito) que no futuro será seu e por isso constituirá um património que poderá rentabilizar, seja através de arrendamento ou venda. É também uma maior garantia de segurança, uma vez que não fica dependente da vontade do senhorio manter ou não o arrendamento. Por norma, as prestações do crédito são também mais baixas mensalmente que as rendas nos grandes centros urbanos.

. Tendências e previsões de mercado – até agora vimos questões onde terá que olhar para a sua carteira. Mas a decisão tem de ir para além disso e como tal é importante ter também uma visão macro do mercado. Como está a ser a inflação do preço das casas? E do arrendamento? Como estão as taxas de juro?

Regra geral, preços de casas a subir e rendas altas, apontam para a compra, enquanto a tendência contrária conjugada com taxas de juro altas vai direcionar para o arrendamento. Mas nestes campos existem muitas variáveis e o melhor será sempre ter a ajuda de um agente imobiliário que estará por dentro do mercado e percebe tanto o presente como o que esperar a curto/médio prazo.

.Objetivos pessoais e profissionais – no final temos sempre de voltar ao campo pessoal (e não é por estar no fim que é menos importante). Para além de todos os aspetos que vimos, maioritariamente financeiros, é preciso ter em conta o que sente e quais são os seus objetivos aos níveis pessoal e profissional.

Adora a zona onde está e tão depressa não quer sair ou pelo contrário quer muito mudar de cidade/zona? A família está estabilizada ou nos planos de médio prazo já está previsto que cresça? Está totalmente satisfeito/a com o seu trabalho e sabe que pelo menos por enquanto é onde vai estar ou quer muito mudar? Gosta de mudança e aventura ou por outro lado é nas rotinas e na certeza que encontra conforto e felicidade? Terá de fazer todas estas questões a si mesmo para perceber qual o caminho que quer seguir.

Lembre-se no entanto que qualquer decisão que tome não tem de ser para a vida toda. Está com muitas dúvidas?

Peça-nos uma simulação das duas situações, com exemplos e oportunidades reais de mercado neste momento. Teremos todo o gosto em ajudar!